Receba nossa newsletter e fique por dentro do mundo do esporte!

PUBLICIDADE

Ariane Monticeli admite uso de EPO; caso será julgado pela CBTri

Foto: Wagner Araújo

Depois de muitos rumores no mundo do triathlon, a triatleta brasileira Ariane Monticeli rompeu o silêncio e admitiu ter testado positivo num exame antidoping. Antes de qualquer entidade revelar o resultado, Ariane Monticeli afirmou (com exclusividade para o MundoTri) que usou EPO (Eritropoietina).

Antes da publicação oficial do Ironman, da WADA (Agência Mundial Anti-Doping) e da CBTri (Confederação Brasileira de Triathlon), a triatleta resolveu abrir o jogo e falou sobre o caso de doping no Ironman 70.3 Buenos Aires para o site MundoTri.

Entenda o caso

Ariane realizou o exame na véspera da prova em Buenos Aires, em março deste ano, e testou deu positivo para EPO (Eritropoietina), uma substância conhecida por aumentar a performance de atletas.

Na véspera do Ironman Brasil, Ariane Monticeli foi informada pela própria organização que o resultado havia dado positivo e foi impedida de largar, já que atletas em processo de julgamento não podem participar de competições, de acordo com as regras da WADA.

Isso explica por que ela chegou a realizar o bike check-in em Florianópolis, mas não apareceu para largar no domingo. Na oportunidade, ela declarou que havia sentido dores decorrentes de um acidente que sofrera poucas semanas antes.

O caso ainda não foi julgado, mas o processo segue o rito habitual. A CBTri irá julgar o caso quando for notificada pelos órgãos competentes.

Ariane Monticeli concordou em falar por meio de uma carta para o site MundoTri. E pediu que fosse publicada na íntegra, junto com os resultados do exame anti-doping. Confira a carta na íntegra, aqui.

excluir cat: nao, desativa sempre post: nao, ativa sempre post: nao
Compartilhe por email!